Elon Musk vem ao Brasil para discutir sobre Amazônia com governo Bolsonaro nesta sexta (20)

Mídia Pública | Além do Texto

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO, 20 Mai (Reuters) – Elon Musk deve chegar ao Brasil nesta sexta-feira para discutir “conectividade e proteção da Amazônia” com o governo do presidente Jair Bolsonaro, anunciou em um tuíte o ministro das Comunicações, Fábio Faria.

A visita de Musk é um impulso para Bolsonaro, que se vê cada vez mais isolado no cenário global desde que o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, perdeu sua candidatura à reeleição em 2020.

A visita de Musk, executivo-chefe da SpaceX e Tesla (TSLA.O) , que está em negociações para comprar a rede social Twitter, ocorre depois que ele se encontrou com Faria em novembro em Austin, Texas. Eles falaram sobre o uso da tecnologia SpaceX para levar a internet às escolas rurais e reduzir o desmatamento ilegal da Amazônia.

É provável que Musk se encontre com o incendiário nacionalista Bolsonaro no momento em que sua política pessoal se desvia para a direita. Na quarta-feira, Musk disse que já havia votado nos democratas, mas agora votará nos republicanos.

“Eles se tornaram o partido da divisão e do ódio, então não posso mais apoiá-los e votarei nos republicanos”, tuitou.

Bolsonaro, que comemorou o anúncio do Twitter de sua aceitação da oferta inicial de Musk pela empresa, tenta há anos atrair a Tesla para o Brasil. consulte mais informação

A visita de Musk foi noticiada pela primeira vez pelo jornal O Globo. O evento que ele participará em um hotel de luxo perto de São Paulo também contará com a presença de vários empresários, incluindo o presidente-executivo da Telecom Italia (TLIT.MI) , Pietro Labriola, e o Banco BTG Pactual (BPAC3.SA) , André Esteves, disse O Globo.

Bolsonaro demorou a reconhecer a vitória do presidente dos EUA, Joe Biden, e ainda não falou com o democrata desde que assumiu o cargo, vendo as relações entre as duas maiores democracias das Américas esfriarem. consulte mais informação

Bolsonaro, que idolatra Trump, também foi evitado por sua proximidade com o presidente russo, Vladimir Putin, devido à invasão da Ucrânia pela Rússia.

Fonte: Reuters | Foto: Matt Rourke/AP Photo.

Mídia Pública | Além do Texto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.